Enfezamento do milho

Sementes Biomatrix

Enfezamento do milho: Como fazer o manejo efetivo e evitar prejuízos

Enfezamento do milho: entenda mais sobre a doença, sintomas, principais medidas de controle e manejo do vetor cigarrinha.
A incidência dos enfezamentos tem aumentado nos últimos 3 anos, principalmente em regiões em que se é praticado o cultivo sucessivo de milho, como Minas Gerais e Sudoeste de Goiás. 

Essa ponte verde favorece a migração e desenvolvimento da cigarrinha-do-milho, principal transmissor da doença. Neste cenário, é importante conhecer as medidas mais efetivas para controlar o complexo de enfezamentos, as quais envolvem também o manejo da cigarrinha. 

A seguir, entenda mais sobre o enfezamento e veja como evitar prejuízos pela sua ocorrência:

Enfezamento vermelho, enfezamento pálido e seus sintomas

Os enfezamentos geralmente são causados por molicutes, que são bactérias sem parede celular. 

Estes microrganismos infectam o milho e se reproduzem nos vasos condutores de seiva (floema), dificultando a absorção e assimilação de nutrientes pela planta, o que a torna mais suscetível a doenças secundárias como tombamentos e podridões. 

Os sintomas dos enfezamentos são mais evidentes após o estágio reprodutivo. Tanto o enfezamento pálido como o vermelho podem causar a proliferação e/ou mal granação das espigas e redução de porte e até morte prematura. 

Má granação pela ocorrência de enfezamento do milho


Nos pivôs, também tem sido constatado o quebramento de plantas verdes associado ao enfezamento do milho. 
Os enfezamentos no milho podem ser do tipo pálido, causado por espiroplasma, ou vermelho, causado por fitoplasma.  O pálido é conhecido por causar o amarelecimento/clorose da planta, enquanto o enfezamento vermelho no milho causa um avermelhamento ou arroxeamento.

Contudo, é difícil diagnosticar o tipo de enfezamento somente pela coloração da planta, pois outros fatores interferem, como nutrição, estresse hídrico e temperatura, etc.  Além disso, uma mesma planta pode conter o fitoplasma e/ou espiroplasma, agravando ainda mais o diagnóstico e, claro, os prejuízos.